Para o presidente nacional do partido, o PDT compõe a ala de oposição ao presidente Jair Bolsonaro e faz críticas ao chefe do Executivo Nacional, muitas vezes proferidas pelo ex-ministro e ex-governador do Ceará Ciro Gomes.

 

Por Ricardo Galhardo e Pedro Venceslau

A ida do ex-governador paulista e pré-candidato a prefeito da capital pelo PSB, Márcio França, a um evento com o presidente Jair Bolsonaro, na sexta-feira passada, em São Vicente, constrangeu o PDT e ameaça uma aliança entre os partidos em São Paulo. Sem citar nomes, o presidente do PDT, Carlos Lupi, mandou um recado claro na terça-feira, 11, por meio de suas redes sociais.

 

“O PDT não irá tolerar pré-candidato vinculado ao bolsonarismo. Se houver algum caso, terá sua pré-candidatura suspensa. Estaremos atentos se houver qualquer denúncia”, escreveu o dirigente. O post de Lupi também foi interpretado como um contraponto ao PT, que, na semana passada, aprovou uma aliança com o prefeito de Belford Roxo (RJ), Wagner Carneiro, o Waguinho (MDB), aliado de Bolsonaro.

 

França participou de um evento oficial da Presidência da República em São Vicente, no litoral paulista, sua base eleitoral. Bolsonaro foi à cidade vistoriar a reforma de uma ponte cuja obra foi alvo de disputa entre o prefeito Pedro Gouvêa (MDB), cunhado de França, e o governador João Doria (PSDB).

 

França foi convidado na véspera pelo próprio Bolsonaro por meio de uma chamada de vídeo para o celular de Paulo Skaf, presidente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) – e atualmente um dos principais aliados do Palácio do Planalto no Estado.

 

Na chamada, França disse que está arrecadando donativos para os moradores de Beirute, capital do Líbano, abalada por uma série de explosões na região portuária, na semana passada – a mulher dele, Lúcia, é descendente de libaneses. Bolsonaro se comprometeu a conseguir um avião para transportar o material.

 

O encontro, no entanto, foi interpretado como um sinal político. França usa como referência para sua estratégia de campanha o mapa dos votos que obteve na capital no 2.° turno da disputa para o governo. Ele venceu com folga nas franjas da cidade e avançou sobre o eleitorado “azul do centro”, que, historicamente, vota contra o PT. Para atrair o eleitor bolsonarista, França vai repetir a estratégia de resgatar sua bandeira de campanha do alistamento cívico ao mesmo tempo em que já se coloca como o candidato anti-Doria.

 

O presidente nacional do PSB, Carlos Siqueira, disse que foi avisado previamente por França do encontro e rechaçou que exista uma aproximação entre França e Bolsonaro. “Isso é completamente improcedente. Ele (França) estava junto com a comunidade libanesa (Skaf também é descendente de libaneses) e queria tratar de uma questão humanística. Não tem nada mais do que isso e nem poderia ter. Não há nenhuma identidade que possa nos aproximar”, declarou o presidente do PSB.

 

Segundo ele, o fato de França ter aceitado o convite de Bolsonaro “não significa nada”. “Minha preocupação com isso é zero. Acho que é especulação daqueles que estão com receio de disputar com ele. Este tipo de sectarismo já foi faz muito tempo.”

 

‘Dois senhores’. O episódio animou o PCdoB – cujo pré-candidato em São Paulo é o deputado federal Orlando Silva – a tentar uma aproximação com o partido do ex-ministro e ex-governador Ciro Gomes. O PCdoB viu no gesto de França uma chance. “Márcio França não pode servir a dois senhores. Ele está, como dizia Brizola, costeando o alambrado. Se tem um tema de convergência no campo democrático é a crítica ao Bolsonaro”, disse Silva.

 

Presidente municipal do PDT e pré-candidato a vice na chapa de França, Antonio Neto minimizou. “Não houve intenção de fazer um gesto político. França é, com certeza, um pré-candidato de centro esquerda”, disse Neto. “Em 2012, o PCdoB não se importou quando (Paulo) Maluf apoiou (Fernando) Haddad.”

 

Posted On Quarta, 12 Agosto 2020 10:35 Escrito por

Deltan pede a suspensão imediata da tramitação de dois processos movidos contra ele por parlamentares. O pedido que mais o pressiona é da senadora Kátia Abreu, que pediu seu afastamento da autointitulada força-tarefa da "lava jato" de Curitiba

 

Por Renan Ramalho

 

Um grupo de sete senadores que apoiam a Lava Jato reforçou, no Supremo, o pedido de Deltan Dallagnol a Celso de Mello para suspender dois processos, no Conselho Nacional do Ministério Público, que podem afastá-lo da força-tarefa.

 

Os processos foram movidos por Renan Calheiros (MDB-AL) e Kátia Abreu (PP-TO) e acusam Deltan de atuação política e falta de isenção nas investigações.

 

No pedido apresentado ao STF, no entanto, os senadores questionam a independência e imparcialidade do conselheiro Luiz Fernando Bandeira de Mello Filho para relatar os processos.

 

Secretário-geral do Senado, ele foi indicado por Renan Calheiros para o cargo no CNMP e dará o primeiro voto no julgamento dos processos contra Deltan, na semana que vem.

 

Os senadores afirmam que sua participação poderá levar a um “julgamento parcial, sob influxos dos mais variados interesses políticos e econômicos, sob pena de fazer perecer a atuação proba e reta de um membro do Ministério Público Federal”.

 

“Tendo o pedido sido protocolado por uma Senadora da República e ocupando o relator cargo, também no Senado, do qual pode ser afastado a qualquer momento, exsurgem claras e objetivas dúvidas acerca da independência e imparcialidade do Conselheiro para proferir seu voto no julgamento de Dallagnol”, diz a manifestação.

 

Assinam os senadores Alessandro Vieira, Major Olímpio, Jorge Kajuru, Lasier Martins, Randolfe Rodrigues, Mara Gabrilli e Alvaro Dias.

Posted On Quarta, 12 Agosto 2020 07:23 Escrito por

Autora de projeto que defende ozonioterapia, deputada federal Paula Belmonte é internada com Covid-19 em Brasília

 

Com G1

 

A deputada federal Paula Belmonte (Cidadania-DF) testou positivo para Covid-19 e foi internada na manhã desta terça-feira (11) em um hospital particular na Asa Sul, em Brasília. Até a última atualização desta reportagem, a unidade de saúde não havia divulgado um boletim médico, mas segundo a assessoria da parlamentar, Paula "está bem".

Em uma mensagem enviada a colegas, a deputada disse que teve 30% dos pulmões comprometidos pela doença. A parlamentar também relatou preocupação.

Ozônio para combater o coronavírus? Conheça as falsas promessas de tratamento para a Covid-19

Parlamentares do DF devem R$ 2,46 milhões em impostos à União

"O médico avaliou pela internação. Tenho aneurisma cerebral, uma preocupação. Estou tossindo, me sentindo cansada, mas tranquila. Confesso, quando recebi a notícia da internação, me deu frio na barriga."

Paula Belmonte é autora de um projeto de lei que autoriza o uso da ozonioterapia no combate ao novo coronavírus. O procedimento consiste na aplicação de oxigênio e ozônio no corpo do paciente. Não há evidências científicas de que o tratamento funcione contra a doença.

 

"Salienta-se que é pacífico que ainda não há qualquer evidência científica relacionada à efetividade da ozonioterapia na prevenção ou tratamento para o Coronavírus, entretanto, possibilitar que a comunidade médica utilize o tratamento quando julgar necessário pode se tornar benéfico, afinal, 'essa terapia vem sendo cada vez mais estudada com intuito de auxiliar em tratamentos de feridas extensas, infecções fúngicas, bacterianas e virais, lesões isquêmicas e várias outras afecções, tendo se mostrado muito eficaz na maioria dos casos'", diz a parlamentar no projeto.

 

Posted On Quarta, 12 Agosto 2020 05:21 Escrito por

Ação do PTB busca evitar brechas para diretorias se perpetuarem na Câmara e no Senado

 

Por Ricardo Brito

 

O ministro Gilmar Mendes, STF, decidiu nesta segunda-feira enviar ao plenário da corte uma ação movida pelo PTB para barrar uma eventual reeleição ao comando da Câmara e do Senado de Rodrigo Maia (DEM-RJ) e Davi Alcolumbre (DEM-AP), respectivamente.

 

A ação do PTB, partido presidido pelo ex-deputado federal Roberto Jefferson e que tem se colocado como aliado do presidente Jair Bolsonaro, tem formalmente por objetivo afastar qualquer tipo de interpretação que possa se fazer do regimento interno da Câmara e do Senado que poderia respaldar legalmente um eventual novo mandato dos presidentes a partir de fevereiro de 2021.

 

Em despacho, Mendes disse que, diante da relevância da matéria, vai adotar um rito abreviado de tramitação do processo. Determinou que a Advocacia-Geral da União e a Procuradoria-Geral da República se manifestem em 10 dias e, em seguida, a causa seguirá para análise do plenário do Supremo Tribunal Federal.

 

Após esse prazo, caberá ao presidente do STF marcar a data do julgamento.

 

Mendes foi designado o novo relator da ação após o decano do STF, Celso de Mello, ter se declarado impedido de apreciar o caso por razões de "foro íntimo".

 

Rodrigo Maia, que está em seu terceiro mandato, já disse publicamente que não quer mais um, mas Davi Alcolumbre se movimenta para tentar permanecer no cargo no próximo ano. A Constituição veda a reeleição na mesma legislatura.

 

Uma das possibilidades seria uma Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que permitisse a reeleição dos dois parlamentares. Mas a PEC —que precisaria do voto de 308 dos 513 deputados e 49 dos 81 senadores— teria poucas chances de prosperar na Câmara.

 

Outra possibilidade seria buscar um entendimento legal que permitisse contornar os entraves existentes.

 

Posted On Terça, 11 Agosto 2020 07:16 Escrito por

Por incrível que pareça, as pesquisas de intenção de voto para consumo próprio têm uma grande parcela de influência na elaboração do voto do eleitor.  Embora sempre pairem dúvidas sobre a idoneidade dos levantamentos, com os candidatos que aparecem nas últimas posições contestando a veracidade dos dados e os que estão nas primeiras colocações enfatizando a “seriedade” dos dados coletados, as pesquisas sempre trazem algo de útil

 

Por Edson Rodrigues

 

O acima exposto tem como objetivo discutir o mérito da importância das pesquisas para consumo próprio em época de campanha eleitoral. O candidato a prefeito ou a vereador nas eleições de 15 de novembro próximo, independente se é para uma reeleição ou para um primeiro mandato, precisa ter um conhecimento prévio do “território” que estará em disputa e das forças que seus adversários dispõem, e só as pesquisas são capazes de revelar essas informações.

 

E não é apenas uma.  Têm que ser duas ou, dependendo da situação, várias pesquisas para consumo próprio, realizadas por empresas diferentes, com intervalos coerentes entre uma e outra, encomendadas por parentes ou aliados de confiança, que leve os resultados em primeira mão, antes mesmo dos proprietários das empresas responsáveis pelo levantamento conhecerem os números, até o interessado, para que o quebra-cabeças das informações se encaixe de forma a proporcionar uma leitura correta do cenário.

 

ORGANIZAÇÃO E PLANEJAMENTO

Somente com os resultados em mãos é que o candidato vai poder estabelecer funções para os membros do seu staff, quem ficará responsável por qual área, para, enfim, montar as estratégias de campanha de acordo com os dados levantados sobre seus adversários, principalmente o terreno onde estará “pisando” e o “calibre” das armas que eles dispõem.

 

Durante a campanha, a cada 15 dias, uma nova pesquisa de consumo prpróprio deve ser realizada e, aqui, abrimos um parêntese para afirmar que se você é candidato e não tem condições financeiras de bancar sua candidatura, esqueça!  Você não passa de um juvenil no meio de uma alcateia de lobos, principalmente se você pleiteia a vereança. As campanhas bancadas por outros candidatos a outros cargos acabaram, não existem mais, são coisa do passado.

 

Cada candidato só poderá contar com o Fundo Eleitoral e com os recursos do seu próprio bolso, e com todo o cuidado do mundo para não cometer crimes eleitorais. Tudo precisa estar de acordo com o que manda a Lei, para que não se corra o risco de ganhar e não tomar posse.

 

ANALISANDO AS PESQUISAS

Nas eleições deste ano, pelo caráter de excepcionalidade, com pandemia, nova data e tudo o que isso acarreta, os candidatos poderão ter uma noção da real viabilidade de sua pretensão eleitoral logos na pesquisa de consumo próprio realizada após os primeiros 15 dias de campanha.

 

Terá que ser uma pesquisa qualitativa, aquelas que mostram muito mais que apenas números.  Ela funciona como se fosse uma radiografia do seu corpo inteiro, mostrando onde seu “corpo” funciona bem e onde precisa de “medicamentos”.

Certa vez, um candidato em uma eleição em Minas Gerais mostrou, em tom de reclamação, a Tancredo Neves, uma pesquisa que o trazia como o terceiro colocado nas intenções de voto.  Tancredo olhou bem dentro dos olhos do reclamante e falou: “trabalhe mais, triplique seus esforços e vamos mostrar que esta pesquisa está certa, mas não reflete a realidade.  Daqui a quinze dias, faça outra pesquisa e publique os resultados, e deixe que os eleitores os analisem”.

 

O insatisfeito acatou o conselho, trabalhou mais como foi recomendado e, ao fazer a segunda pesquisa, estava em segundo lugar.  Ele divulgou os resultados nos principais veículos de comunicação doo município, mostrando seu crescimento, e voltou ao trabalho com ainda mais dedicação.

 

O resultado da eleição não poderia ser outro.  O inconformado terceiro colocado no início da eleição acabou vencendo o pleito por quatro votos de diferença.  Ou seja, se não tivesse analisado a primeira pesquisa, se aconselhado com um mestre e, principalmente seguido seus conselhos de dobrar a capacidade de trabalho a cada nova pesquisa, teria perdido a eleição para o seu próprio desânimo.

 

Ou seja, aquela primeira pesquisa que lhe era negativa foi o que salvou sua eleição.

 

Fica a dica!

Posted On Segunda, 10 Agosto 2020 06:38 Escrito por
Página 1 de 470

Pesquisa

Última edição

o-paralelo-13-edicao-504.jpg

Boletim de notícias

Boletim de notícias

Colunistas

 

Últimas notícias