“União nacional, diálogo, entendimento, conciliação, trégua são nomes de um estado de espírito que está se formando na comunidade nacional.”

 

Trecho do discurso de despedida de Tancredo Neves do Senado, em 1983.

 

Palmas, Araguaína, Porto Nacional, Gurupi e Paraíso têm “acertos oposicionistas” duvidosos, pois após o pleito de 15 de novembro, apurados os votos, ninguém sabe se a união vai durar

 

Por Edson Rodrigues

 

As eleições de 15 de novembro próximo guardam em seu contexto peculiaridades “perigosas” para qualquer acerto político visando os cargos de prefeito e vereador em disputa.  A partir do dia 31 de dezembro findam as ajudas do governo federal aos estados e municípios, além do auxílio emergencial aos milhões de brasileiros desempregados ou na informalidade que, graças a elas, não passaram fome.

 

Os grupos políticos e os partidos que estão forjando “uniões” de última hora para a sobrevivência política nestas eleições de 2020, são, em sua maioria, de oposição ao governo federal e, mesmo que consigam êxito em suas pretensões eleitorais em cidades de média a grande porte do Tocantins, terão que se virar financeiramente, sem as bênçãos nem do governo do Estado, muito menos do governo federal.

 

Some-se a isso os milhares de problemas pós pandemia que serão repassados às futuras administrações que tomarão posse em primeiro de janeiro, que não participaram nem tiveram conhecimento profundo sobre os protocolos adotados pelas autoridades de Saúde.

 

Nesse quesito, os candidatos à reeleição que vencerem seus pleitos, terão a vantagem de apenas dar continuidade ao que já vinha sendo feito, mas, todos os eleitos, sem exceção, contarão apenas com os recursos constitucionais e das receitas próprias, em um Estado que não é industrializado e em que a maioria absoluta dos municípios sobrevive apenas dos repasses do FPM e dos minguados “caraminguás” do ICMS.

 

Será um começo de mandato de muitos desafios, pois, por ser início de ano, as emendas impositivas tanto estaduais quanto federais, só começarão a chegar no segundo semestre, dependendo da força política do autor da emenda com os governos de Mauro Carlesse e de Jair Bolsonaro.

 

Não sendo dessa forma, o processo de sobrevivência política dos governos municipais será apenas desespero.

 

E isso não está errado, pois faz parte do processo democrático.  A presença de uma oposição é importante para haver o equilíbrio de forças.  Do contrário, vira ditadura.

 

O QUÊ DIZ O ELEITOR?

 

Nunca, jamais na história política, o eleitor teve um papel tão preponderante em uma eleição.  Neste momento, a maior parte do eleitorado, que está na base da pirâmide social do Tocantins, se encontra tentando sobreviver, desempregada, e tentando evitar que suas famílias passem por privações, tenham, ao menos, duas refeições garantidas por dia, que os aluguéis estejam pagos, mesmo sem saber como, pois os atrasos se acumulam, as contas de luz e água para por em dia, com a esperança no Decreto de Calamidade Pública, que prorrogou o pagamento dos atrasados até 31 de dezembro, sem somar com as contas na quitanda, nos colégios particulares e nas faculdades de seus filhos.

 

Apenas a minoria que tem contracheques gordos, vale alimentação, assistência médica e a garantia do salário na conta vem fazendo a “fuzarca” eleitoral, brigando por seus candidatos e pelos nomes que os manterão próximos ao poder e ao padrão de vida que levam.

 

O restante, citado anteriormente, ainda está silencioso, analisando a situação a que foram relegados pelos governos municipais, alguns órfãos de pai, mãe, avôs, avos e parentes muito próximos, que se foram por falta de um leito de UTI ou de atendimento médico adequado, abandonados pela classe política.

 

Esses eleitores ainda estão prestando atenção nos carrões de luxo e na ostentação dos que estão próximos ao poder, se fazendo de surdo-mudo, mas com a visão e as mentes sadias, alertas para os “políticos Copa do Mundo”, que só aparecem de quatro em quatro anos, para os “políticos gafanhotos”, que trituram as folhas de pagamento com parentes e amigos.

 

Será esse eleitor que irá analisar tudo, colocar todos no mesmo “balaio” e irá ponderar se vale à pena deixar seus lares para comparecer às urnas, se expor ao Covid-19, para votar em um candidato a prefeito ou a vereador que sabe que não fará nada por ele.  Nesses casos, a multa de três reais vale muito mais a pena

 

"PAI NÃO É QUEM FAZ, MASQUEM CUIDA"

 

Os prefeitos eleitos em 15 de novembro próximo, que assumirão em primeiro de janeiro de 2021, têm os mandatos sob sua tutela, podendo mudar, a qualquer momento, de partido.  Já os vereadores têm os seus cargos em poder do partido.

 

Logo, até as eleições de 2022, muitas posições políticas e muitas “filosofias” pode mudar de uma hora para outra, de acordo com as conveniências de grupo e pessoais. E, como as oposições estão divididas, ainda é cedo prever quem é quem e quem “será” com quem, tendo como única certeza que a vontade do povo e os motivos que levarem o povo a eleger qualquer candidato estarão em último lugar na escala de importância adotada pelos políticos para definir se vão ou se ficam.  O que interessa, no fim, é apenas o poder pelo poder.

 

FUTURO

 

Até o próximo dia 26 de setembro, qualquer previsão positiva ou negativa sobre os grupos políticos que aí se encontram, formados por partidos e líderes, será mero palpite.  Chute puro!

 

Só a partir dos registros das candidaturas e das coligações será possível vislumbrar as nuances de cada candidatura.  Até lá, serão muitos os lances políticos, as jogadas de mestre e os xeque-mates aplicados na busca do voto nesta campanha.  Cada lance com as características da região e movidos pelas particularidades dos interesses de cada candidato.

 

Se somarmos a isso as operações da Polícia Federal que explodem a cada dia no Tocantins, que podem atingir o seio de algumas campanhas ou respingar em alguns candidatos, apoiadores e avalistas de campanhas, temos aí um cenário perfeito para as incertezas.

 

Há ainda o fato de que os “times políticos”” ainda não estão totalmente ‘escalados” e que a partida mal começou.

 

Mesmo assim, as baixarias nas redes sociais já começaram e devem “feder” muito até o fim da campanha, deixando aos veículos de comunicação tradicionais, impressos ou online, como a “tábua de salvação” dos eleitores preocupados em formular um voto consciente e correto, baseado em informações reais e comprometidas com a verdade.

 

Ficaadica!

Posted On Segunda, 21 Setembro 2020 04:10 Escrito por

Polícia Federal investiga supostas fraudes a licitações para aquisição de camas hospitalares no Tocantins

Com Assessorias

 

A Polícia Federal, em ação conjunta com a Controladoria Geral da União, deflagrou nesta sexta-feira (18) a Operação “Cama de Tut”, visando apurar supostos ilícitos relacionados à aquisição de 590 camas hospitalares pelo Governo do Estado do Tocantins.

 

Os investigados são suspeitos de fraudar o processo licitatório conduzido pela Secretaria Estadual de Saúde e alienar os leitos com valores aproximadamente de 227% superiores aos praticados pelo mercado e pela própria empresa que venceu o certame, conforme apurado pelos investigadores, pelo Tribunal de Contas da União-TCU e pela Controladoria Geral da União-TCU.

 

Aproximadamente 30 Policiais Federais cumprem 6 mandados de busca e apreensão, todos expedidos pelo Tribunal Regional Federal da 1ª Região, nas cidades de Palmas/TO e São Paulo/SP.

 

Além da obtenção de novas provas, busca-se verificar a efetiva entrega dos bens adquiridos e o suposto pagamento de vantagens indevidas. O potencial de superfaturamento apontado pelos órgãos de controle seria de mais de 7 milhões de reais.

 

Os investigados poderão responder, na medida de suas responsabilidades, pelos crimes de fraude a licitação e peculato, cujas penas somadas podem chegar a 16 anos de reclusão.

 

A Polícia Federal ressalta que, em razão da situação de pandemia da COVID-19, foi planejada uma logística especial de prevenção ao contágio, com distribuição de EPIs a todos os envolvidos na missão, a fim de preservar a saúde dos policiais, testemunhas, investigados e seus familiares.

 

*** A operação “Cama de Tut” é uma referência ao luxuoso leito do faraó Tutancâmon, uma vez que as injustificadas especificações do certame limitaram o processo aquisitivo a apenas um modelo de cama hospitalar, tida como uma das mais requintadas do mercado.

 

Nota de esclarecimento

 

A Secretaria de Estado da Saúde (SES) esclarece que está à disposição dos órgãos de controle para todos os esclarecimentos a respeito do processo de aquisição das camas elétricas, as quais foram licitadas e adquiridas por valor inferior à média nacional do Banco de Preço, base mais confiável de consulta disponível no mercado.

 

A SES informa que a compra dos mobiliários era uma necessidade, pois há décadas não havia grandes investimentos nesta área. A substituição das camas beneficiou a população tocantinense, que necessita do Sistema Único de Saúde (SUS), bem como os trabalhadores da saúde, que precisam lidar com a locomoção de pacientes.

 

A SES destaca que zela pelo erário público e, sempre que necessário, aciona espontaneamente os órgãos de controle para investigar os possíveis abusos e superfaturamentos que muitas empresas tentam impor na oferta de alguns produtos. Fato semelhante ocorreu em abril deste ano, na compra de Equipamentos de Proteção Individual (EPI), para o combate à pandemia, decorrente da Covid-19.

 

Por fim, a SES reforça que as novas camas tem a qualidade necessária para a demanda existente nas unidades hospitalares. Demonstram-se duradouras e sem a necessidade de substituição imediata. Além disso, possuem garantia de um ano, período no qual a empresa vencedora da licitação realizará manutenção sem custo adicional.

 

Palmas, 18 de setembro de 2020

Secretaria de Estado da Saúde

Governo do Tocantin

 

Posted On Sábado, 19 Setembro 2020 05:37 Escrito por

Percentuais começam a ser pagos na folha de setembro

 

Por Vania Machado

 

O governador do Estado do Tocantins, Mauro Carlesse, assinou o Decreto nº 6.155, que regulamenta o artigo 1º da Lei Estadual 3.483, de 4 de julho de 2019, que trata da implementação dos efeitos financeiros decorrentes das promoções dos militares estaduais, realizadas no dia 21 de abril do ano passado. O decreto será publicado no Diário Oficial (DOE), edição desta sexta-feira, 18.

 

Conforme o Decreto, os efeitos financeiros serão implementados em folha de pagamento em percentuais cumulativos, até sua devida integralização. A implementação será da seguinte forma: 25% em setembro de 2020; 25% em março de 2021; 25% em de setembro de 2021; e 25% em março de 2022.

 

Ainda conforme o Decreto, tais percentuais poderão ser antecipados a qualquer tempo, mediante avaliação da capacidade orçamentário-financeira do Estado. Decisão essa que cabe ao Chefe do Executivo. Já aos dirigentes máximos da Polícia Militar e do Corpo de Bombeiros Militar, cabe proceder quanto ao estudo de impacto financeiro correspondente ao saldo passivo decorrente dessas promoções para subsidiar projeções de pagamento, também em observância à capacidade orçamentária.

 

“Com esse Decreto, o Governo do Tocantins regulamenta e registra a forma de implementação e a referência para ser operacionalizado na folha de pagamento, já a partir de outubro, quando quitamos a folha referente ao mês de setembro. Os demais percentuais serão pagos conforme previsto no Decreto podendo serem antecipados conforme a disponibilidade orçamentária”, ressaltou o secretário de Estado da Administração, Bruno Barreto.

 

O governador Mauro Carlesse destacou que, com o Decreto a Gestão Estadual honra com o compromisso feito com os policiais e bombeiros militares. “Na ocasião, concedemos as promoções, que são legítimas tanto para os nossos policiais militares quanto para os nossos bombeiros, sendo bem transparentes quanto à disponibilidade de orçamento para honrar com esse compromisso. E agora conseguimos regulamentar essa medida, estabelecendo o cronograma de pagamentos, o que é um ponto a ser comemorado, dado o cenário econômico impactado pela pandemia do novo Coronavírus, mas nós conseguimos equilibrar as contas e honrar com nossos compromissos”, finalizou o governador Carlesse.

 

Posted On Sábado, 19 Setembro 2020 05:35 Escrito por

Alan Barbiero lembra dos ataques de Andrino e Amastha às famílias de políticos no Tocantins

 

Com Assessoria

 

Candidato do Podemos a prefeito de Palmas, Alan Barbiero disse, na noite desta quinta-feira, 17 de setembro, que as alianças eleitorais promovidas de última hora pela candidatura de Tiago Andrino (PSB) mostram que o discurso do socialista com constantes ataques “à familiocracia no Tocantins” é contraditório, beirando a hipocrisia. Beneficiado por uma intervenção após o último dia de convenções e depois de ter feito um forte discurso contra o poder de algumas famílias no Tocantins, Andrino fechou coligações com o PR, de Vicentinho Júnior, com o PSD, de Irajá Abreu, e com o Progressistas, de Kátia Abreu.

 

Vicentinho Júnior é filho do ex-senador Vicentinho Alves e tem dois irmãos na política. Senadora, Kátia é mãe do também senador Irajá e do ex-vereador Iratã. Para Alan Barbiero, a população de Palmas está atenta a esses movimentos e não aceita mais a política da incoerência.

 

“Sempre no discurso, é ataque contra a familiocracia seja dos ‘Vicentes’ ou dos ‘Abreus’, até utilizando termos pejorativos. Na prática, porém, se faz os velhos conchavos da política tradicional e coronelista. Não existem interesses republicanos, nem propósitos comuns. Estas contradições já foram rejeitadas nas eleições de 2018. Acredito que os eleitores novamente não vão entender", ressaltou.

 

O candidato lembrou do caso do ex-juiz Márlon Reis que na eleição suplementar para governador fez uma excelente votação em Palmas com o discurso de autoria da Lei Ficha Limpa, mas, poucos meses depois, construiu aliança política com partidos e quadros tradicionais e viu seu capital político derreter.

 

Por fim, Alan Barbiero afirmou que a próprio uso do sobrenome Amastha por parte de Tiago Andrino é um contrassenso, inaugurando uma nova forma: “a familiocracia por adoção”.

 

Posted On Sexta, 18 Setembro 2020 04:49 Escrito por

Da Assessoria

 

Nesta quarta-feira (16) Porto Nacional viveu um momento histórico na política municipal com a realização da Convenção Partidária da Chapa “Juntos pela cidade que queremos”, com Ronivon Maciel (PSD) e Joaquim do Luzimangues (Republicanos), como pré-candidatos a Prefeito e Vice-prefeito de Porto Nacional e os pré- candidatos a vereadores do PSD, do Republicanos e do PSB .  Participaram do evento, o senador Irajá Abreu (presidente estadual do PSD), o deputado federal Vicentinho Jr. (PL), o secretário nacional de políticas agrícolas do Ministério de Agricultura, Pecuária e abastecimento e presidente estadual do Republicanos, César Halum, o deputado estadual Ricardo Ayres (Republicanos), o presidente estadual do PSB e ex-prefeito de Palmas, Carlos Amashta e os presidentes dos nove partidos que compõem a coligação “Juntos pela cidade que queremos”: PSD, Republicanos, PSL, PDT, PV, DC, PSB, Cidadania e PL.

 

O evento foi transmitido online, seguindo todas as diretrizes e protocolos de saúde e distanciamento social e contou com intérprete de libras durante os discursos oficiais (Lei Federal 10 436 de 24 de abril de 2002).

 

A convenção foi um momento de muita emoção, onde todos os presentes demonstraram um sentimento uno de renovação, de começar a escrever uma nova história para Porto Nacional; apesar  da necessidade do distanciamento social que impossibilita a participação das pessoas presencialmente na convenção,  as redes sociais do PSD registraram mais 22 mil pessoas alcançadas e mais de 12 mil visualizações da transmissão ao vivo – o que já é uma demonstração de adesão do povo à campanha de Ronivon e Joaquim do Luzimangues.

 

Estes são os partidos que fazem parte da Coligação “Juntos pela cidade que queremos” e os respectivos presidentes das comissões provisórias:

 

PSL: Capitão Diógenes

 

Republicanos: Vereador Miúdo

 

Cidadania: Fabiano Buffon

 

PL: Manoelzinho do Leilão

 

PV: Giovana da Silva Santos

 

PDT: Álvaro da A7

 

DC: Aderaldo Alves

 

PSB: Fabrício Machado

 

PSD : Marcos Geovani Martins ( vice presidente)

 

Posted On Quinta, 17 Setembro 2020 13:04 Escrito por
Página 10 de 446

Pesquisa

Última edição

o-paralelo-13-edicao-504.jpg

Boletim de notícias

Boletim de notícias

Colunistas

 

Últimas notícias