COLUNA FIQUE POR DENTRO

Posted On Terça, 26 Janeiro 2021 14:56
Avalie este item
(0 votos)

PALÁCIO DO PLANALTO QUER EVITAR SEGUNDO TURNO NA CÂMARA


Nos próximos cinco dias o Palácio do Planalto vai intensificar as ações para evitar um possível segundo-turno nas eleições para a presidência da Câmara Federal.
O governo teme surpresas vindas do “baixo clero”. Trocando em miúdos, “traições”.
Como arma, o governo sinaliza com uma reforma ministerial, abertura de espaços no segundo escalão e liberação de emendas e cargos federais nas estatais e nos estados.
O maior temor do governo é a presença dos ex-presidente José Sarney, Michel Temer, Lula e Dilma Rousseff no “time” da oposição.
Todo cuidado é pouco!

MAIA ADMITE TRAIÇÕES


O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), admitiu nesta que um terço da bancada de seu partido deve votar no deputado Arthur Lira (PP-AL) na eleição para a presidência da Casa, e não no candidato que conta com seu apoio, Baleia Rossi (MDB-SP).
Segundo Maia, cerca de 20 a 22 deputados do DEM devem votar em Baleia, o que equivale a dois terços da bancada da sigla na Câmara.
"Certamente nós daremos mais de dois terços dos votos do DEM", afirmou. O partido tem 29 deputados. As projeções do presidente da Câmara apontam ainda para um segundo turno na eleição para o comando da Câmara, com Baleia à frente de Lira, candidato do presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

 

111 A 77 PRÓ IMPEACHMENT


Em meio à pressão pelo afastamento do presidente Jair Bolsonaro, um perfil no Twitter que monitora o posicionamento de congressistas nas redes sociais aponta que 111 deputados são favoráveis e 77 são contrários ao impeachment.
A contagem foi atualizada na manhã desta 3ª feira (26.jan.2021). Até essa 2ª feira (25.jan), eram 111 deputados a favor do impedimento e 76 contrários. O grupo dos que são contra o afastamento do presidente passou a incluir a deputada Clarissa Garotinho (Pros-RJ).

“Gente, impeachment agora virou moda! Vamos respeitar o voto popular! Nas próximas eleições cada um faz o que quiser”, declarou a deputada em suas redes sociais.
Segundo o levantamento, 63,4% não se posicionaram até o momento. Outros 15% mostram-se contrários do impeachment. E 21,6% são a favor.

 

GAGUIM DE MALAS PRONTAS PARA O PATRIOTA


Nos bastidores da política, em Brasília, o Patriota tem como certa a filiação do deputado federal Carlos Gaguim, que deve chegar ao partido sob as asas do presidente Jair Bolsonaro.
Gaguim é vice-líder do governo na Câmara e não confirma nem desmente a informação.
A cúpula do Democratas e a presidente estadual da legenda no Tocantins, deputada federal Dorinha Seabra, agradecem!

 

CANDIDATOS A REELEIÇÃO QUE SE CUIDEM


Com o fim das coligações proporcionais e o número de bons nomes dispostas a disputar uma vaga na Câmara Federal e na Assembleia Legislativa pelos partidos “nanicos” organizados por Lucas da Lince, a sirene de alerta foi ligada para os candidatos à reeleição.
O tal do quociente eleitoral pode atrapalhar muitos dos que já estão nas Casas de Lei e, ao contrário, ajudar os que agirem em bloco, como pretende Lucas da Lince, que já demonstrou nas eleições municipais que sabe jogar o novo jogo das eleições sem coligações proporcionais e, principalmente, o que os eleitores buscam nos candidatos.
Candidaturas como as dos ex-prefeitos Laurez Moreira, Raul Filho e outras dezenas de bons nomes será o divisor de águas nas eleições 2022.

 

MUDANÇAS NAS LIDERANÇAS DE PARTIDOS


Várias comissões provisórias de partidos tocantinenses passarão por mudanças nos próximos 30 dias. O troca-troca de partidos começa já a partir da primeira quinzena de fevereiro.
As articulações, em Brasília, andam a todo vapor, com surpresas inacreditáveis a vista, incluindo vários prefeitos, entre eles a prefeita de Gurupi, Josi Nunes, que já demonstrou desconforto com a mudança de comando do PROS, principalmente da forma com que o comando foi tirado das mãos do deputado estadual Júnior Geo e entregue ao ex-senador Ataíde Oliveira.

 

OPOSIÇÃO SINALISA UNIÃO COM IRAJÁ PARA GOVERNO ESTADUAL


Diversos dirigentes de partidos, inclusive detentores de mandatos no Congresso Nacional, que saíram derrotados nas eleições municipais de novembro do ano passado, vêm trabalhando pela formação de uma frente oposicionista visando a disputa das eleições estaduais de 2022.
Conforme O Paralelo 13 apurou nos bastidores de Brasília, o nome com chances reais de ser candidato a governador é o do senador Irajá Abreu, filho da também senadora Kátia Abreu.

 

PRESIDENTE DO TJ-MS DIZ QUE “ISOLAMENTO É COVARDIA”


Na solenidade de posse como presidente do Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul, o desembargador Carlos Eduardo Contar pregou o desprezo a "covardes e picaretas de ocasião" que pregam o isolamento como medida para reduzir o contágio pelo coronavírus.
Em cerimônia na última sexta-feira (22/1), Contar conclamou os presentes a retornar ao trabalho "com segurança, pondo fim à esquizofrenia e à palhaçada midiática fúnebre, honrando nosso salário e nossas obrigações, assim como fazem os trabalhadores da iniciativa privada, que precisam laborar para sobreviver, e não vivem às custas da viúva estatal, com salários garantidos no fim de cada mês".
Ele também defendeu a prescrição de remédios que não têm eficácia comprovada contra a Covid-19 (e que podem causar efeitos adversos graves) como experimento "no campo da possibilidade" para ajudar na prevenção da doença, engajando os ouvintes na tentativa de combate à "histeria coletiva, à mentira global, à exploração política" e "ao louvor ao morticínio".

EMPRESAS NEGOCIAM COMPRA DE VACINA


Empresas privadas brasileiras negociam com o Ministério da Saúde (MS) uma autorização para importar 33 milhões de doses da vacina de Oxford e AstraZeneca. As informações foram obtidas pela Folha de S. Paulo.
De acordo com o andamento das negociações, o MS deve editar um ato liberando a compra mediante algumas condições. Dentre elas, deve estar o acordo de que metade das doses seja doada ao Sistema Único de Saúde (SUS). O restante seria utilizado pelas empresas para distribuir entre funcionários e familiares.
Pelos menos 11 empresas participam do acordo: Vale, Gerdau, JBS, Oi, Vivo, Ambev, Petrobras, Santander, Claro, Whirlpool e ADN Liga. A ideia, porém, é que mais companhias entrem na compra coletiva.
O objetivo das empresas é que parte de seus funcionários sejam imunizados , garantindo que as atividades prossigam em funcionamento. As 33 milhões de doses negociadas podem chegar ao Brasil ainda em fevereiro. De acordo com os empresários ouvidos pela Folha, a farmacêutica Dasa , que detém laboratórios e hospitais, é quem conduz a negociação de compra.

 

Pesquisa

Última edição

o-paralelo-13-edicao-504.jpg

Boletim de notícias

Boletim de notícias

Colunistas

 

Últimas notícias