Sem coligações proporcionais, partidos terão que demonstrar força e lutar por “territórios”

Posted On Segunda, 01 Julho 2019 07:24
Avalie este item
(0 votos)

Com o recesso parlamentar os deputados estaduais e congressistas terão exatamente o mês de julho para reforçar os laços com suas bases, dividindo esse tempo com o convívio familiar.  O contato com as bases será necessário para oxigenar as lideranças e iniciar as discussões e os trabalhos em busca de novas filiações e ampliação de “território”, enquanto secionam os nomes que comporão suas chapas visando às eleições para vereador e prefeito com ênfase na manutenção dos cargos já conquistados e o aumento do número de eleitos.

 

Candidaturas competitivas serão obrigatórias e fundamentais em tempos de eleição sem coligação proporcional, assim como a distância de nomes envolvidos em investigações ou condenados por corrupção, uma vez que o eleitorado está mais bem informado que nunca pelas redes sociais e acompanham como “novelas” as operações da Polícia Federal, do Ministério Público Federal e Estadual, da Polícia Civil e de outros órgãos investigativos.

 

Sangrar publicamente com casos de corrupção será fatal para qualquer legenda.

 

MDB

O presidente do Diretório Estadual do MDB, o ex-governador Marcelo Miranda já deixou claro que o partido está unido como jamais esteve para respaldar as candidaturas de seus afiliados nos 139 municípios e que a legenda vem para ser a protagonista das eleições, deixando de ser o eterno coadjuvante, com candidaturas próprias em Palmas, Porto Nacional e onde mais o MDB tiver competitividade.

 

Esse novo momento de união do MDB vem sendo estrategicamente organizado entre Marcelo Miranda, o senador Eduardo Gomes, a deputada federal Dulce Miranda, os deputados estaduais, vereadores, prefeitos e membros do Diretório Estadual, discutindo e trabalhando democraticamente os nomes que serão mais competitivos para a ocasião.

 

Marcelo Miranda fará um giro pelo Estado, visitando os 139 municípios, abrindo diálogo com todos os companheiros, traçando metas e oxigenando a militância, a partir do próximo mês de agosto e terminando apenas com o fim das eleições, quando espera conquistar a maioria das prefeituras e das cadeiras de vereador em todo o Tocantins, visando um volta ao comando do Palácio Araguaia com a maioria dos deputados estaduais e federais eleitos pela legenda e a única vaga ao Senado.

 

SOLIDARIEDADE

O presidente do Diretório Estadual do Solidariedade, deputado estadual Vilmar do Detran, foi taxativo ao informar que não quer proximidade com o Palácio Araguaia e que o partido terá suas candidaturas a prefeitos e a vereadores totalmente desvinculadas do Executivo Estadual.

 

 

Esse “aviso prévio” significa que o Solidariedade busca fortalecimento e vai competir com os demais partidos em busca de filiações para obter bons nomes, capazes de competir com outras candidaturas, principalmente em Palmas, onde tem na figura do deputado federal Eli Borges, (foto) um político íntegro e ficha limpa, uma “candidatura modelo” para a legenda.

 

CLÃ DOS ABREU NA DISPUTA

A senadora Kátia Abreu tem percorrido o Tocantins, visitando companheiros e promovendo reuniões em sua residência, em Palmas, inclusive com líderes de outras legendas que não a do seu PDT, inclusive, mantendo um relacionamento institucional e amistoso com o Palácio Araguaia.

 

 

Enquanto isso, a senadora mantém encontros frequentes com o prefeito de Araguaína, Ronaldo Dimas e reuniu-se, recentemente, com a prefeita de Palmas, Cinthia Ribeiro, em Brasília, encontro no qual discutiram demandas da Capital e uma possível união futura de forças.

 

Já o senador Irajá Abreu age com mais discrição, e vem colhendo elogios dos prefeitos que formam sua base política, pelo tratamento dispensado aos companheiros interior que o procuram em Brasília.

 

A única questão divergente no clã dos Abreu diz respeito ao Palácio do Planalto.  Irajá é da base de apoio ao presidente Jair Bolsonaro, enquanto Kátia, ministra da Agricultura no último governo de Dilma Rousseff, do PT, faz oposição ao governo de Jair Bolsonaro. 

 

Kátia é uma voz respeitada no Senado, foi candidata à vice-presidente, na Chapa de Ciro Gomes nas últimas eleições e tem espaço cativo na mídia nacional.

 

Dessa forma, pode-se apostar que, tanto o PDT de Kátia Abreu quanto o PSD, presidido por Irajá no Tocantins, devem vir unidos com apoio do PT no interior e, especialmente, em Palmas. Essa aposta é baseada no afastamento calculado e gradativo do clã Abreu em relação ao Palácio Araguaia.

 

EDUARDO GOMES

Campeão de votos para o Senado, no Tocantins, Eduardo Gomes procura construir, de forma estratégica, uma plataforma ampla de forças políticas em Brasília para, já no segundo semestre deste ano, respaldar os prefeitos de sua base política, principalmente Cinthia Ribeiro, em Palmas e Ronaldo Dimas, em Araguaína, além dos prefeitos do seu partido, MDB, turbinando o envio de recursos federais via emendas e convênios.

 

Eduardo Gomes vem mantendo um relacionamento estreito com o presidente estadual do MDB, Marcelo Miranda, e com os demais membros da legenda, discutindo qual o melhor posicionamento do partido para as eleições de 2020, visando o pleito de 2022.

 

Com apenas cinco meses de mandato, Eduardo Gomes já galgou degraus importantes, sendo eleito terceiro secretário da Mesa Diretora do Senado, é vice-líder do governo de Jair Bolsonaro e relator setorial do Orçamento do ministério do Desenvolvimento Regional.

 

Agora, seu nome é cotado como favorito, de acordo com os jornais O Globo, Estado se São Paulo e Folha de São Paulo, as revistas Veja e Istoé e os blogs dos analistas políticos Claudio Humberto e Fernando Rodrigues, para substituir o ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, que deve ser substituído pelo presidente Jair Bolsonaro após o retorno do recesso parlamentar, podendo assumir outra pasta, permanecendo na equipe. Mas, para a imprensa nacional, Lorenzoni já é carta fora do baralho.

 

Muito discreto e humilde, o senador tocantinense afirma sempre que está trabalhando por um Brasil melhor, ajudando o governo Jair Bolsonaro a implementar seu plano de governo. Nas últimas quinta e sexta-feiras, Eduardo Gomes esteve em São Paulo, ouvindo conselhos e articulando para a aprovação de emendas de interesse do governo federal e do Estado do Tocantins, assim como sondando o terreno quanto à sua indicação para a Casa Civil.

 

Eduardo Gomes também tem sido um fiel escudeiro dos interesses do governo Mauro Carlesse em Brasília, de onde pode trazer excelentes notícias ainda nesta semana.

 

MAURO CARLESSE

O governador Mauro Carlesse vem se desdobrando para fazer o seu governo decolar, superando os difíceis obstáculos financeiros e administrativos, impostos pela atual situação econômica dos Estados.

 

 

Nos seis primeiros meses de governo conseguiu estancar a sangria financeira, equilibrando as contas do Estado, mesmo sendo necessário tomar medidas impopulares, o que lhe permitiu iniciar a recuperação da malha viária logo após o fim das chuvas, colocando homens e máquinas em diversos trechos em todo o Estado. Mas, Carlesse ainda enfrenta um grande desgaste em relação à área da Saúde Pública.

 

A situação em que encontrou as contas do governo do Estado deu apenas uma opção a Mauro Carlesse, que é fazer do seu governo um sucesso administrativo, sob o risco de fracassar politicamente.  Se conseguir destravar os empréstimos necessários, irá se tornar um grande nome político do Tocantins.

 

Caso não consiga, corre o risco de sofrer os mesmos efeitos colaterais sentidos por Siqueira Campos, Marcelo Miranda e Sandoval Cardoso, que foram abandonados “na campina” por muitos dos que, hoje, estão ao lado de Carlesse, mas são amigos, apenas, do reinado e, não do rei.

 

Carlesse sabe disso e, o mais importante, sabe identificar quem são os “judas” políticos do Tocantins, pois, quando na Assembleia Legislativa, pôde observar de perto as movimentações dos que traíram os governos anteriores.  Sabe, ainda, que isso faz parte da política desde que ela existe.

 

Como não vai disputar nenhum cargo em 2020, Mauro Carlesse ainda terá muito tempo para construir um entendimento dentro do Democratas, partido ao qual filiou-se recentemente, ou para procurar outro “porto seguro”, pois tem prazo de filiação até seis meses antes da eleição que decidir disputar.

 

Até agora, Carlesse não tem tido espaço em sua agenda para traçar os planos de sua sucessão, pois vem concentrando esforços em Brasília, em busca da liberação dos recursos tão importantes para o seu governo e para o Tocantins.

 

O governador mostrou habilidade ao se filiar ao DEM, dos presidentes do Senado, Davi Alcolumbre, e da Câmara Federal, Rodrigo Maia, alinhando-se, politicamente, ao governo de Jair Bolsonaro.

 

Juntando-se a isso a maioria na bancada federal e na Assembleia Legislativa, Carlesse abre caminho para, caso consiga a liberação dos recursos, o que é bastante provável, finalmente dar a característica municipalista ao seu governo, tornando-se um forte e bem-vindo cabo eleitoral nas principais cidades do interior.

 

O único obstáculo de Carlesse são as ações na Justiça Eleitoral, com pedido de cassação do seu mandato e inelegibilidade, mas isso, porém, será uma decisão colegiada, tornando difícil fazer qualquer prognóstico.  Qualquer posicionamento sobre o caso, antes de seu julgamento, é pura especulação.

 

NANICOS PODEM SUPREENDER

Às dezenas de partidos nanicos só restou um caminho, que é o de se unirem em uma frente partidária e construírem um palanque só para ter candidaturas competitivas, pelo menos, nas oito principais cidades do Estado, além da Capital.

 

Um dos que estão em campo buscando musculatura política é o PRTB, do vice-presidente da República, general Mourão. O partido tem se movimentado bastante em Palmas, mostrando que a única chance dos partidos de menor expressão elegeram vereadores ou até mesmo um prefeito é cerrando as mesmas fileiras, sem pulverizar votos, para que consigam demarcar território e tornar-se a grande surpresa das eleições de 2020, conquistando nomes de relevância, talvez, até, fora da área política, para participar da disputa eleitoral.

 

Mas, agora, o que interessa, mesmo, ao povo tocantinense, é curtir a temporada de praias, acompanhando, online, as notícias que vão ajudar na definição de quais nomes merecem seus votos.

 

A todos, um ótimo mês de julho!

Pesquisa

Última edição

o-paralelo-13-edicao-504.jpg

Boletim de notícias

Boletim de notícias

Colunistas

 

Últimas notícias