OPOSIÇÃO X GOVERNO: COMEÇA A DEMARCAÇÃO DE TERRITÓRIO PARA ELEIÇÕES 2022

Posted On Terça, 30 Junho 2020 13:37
Avalie este item
(0 votos)

Neste último dia 29 a oposição deixou claro que está pronta para o confronto com o Palácio Araguaia e seus aliados.  A gota d’água para fazer transbordar os limites da convivência política veio após a líder da bancada no Congresso Nacional, senadora Kátia Abreu, protocolar em Brasília, junto à procuradoria Geral da República, uma denúncia contra o governador Mauro Carlesse

 

Por Edson Rodrigues

 

Na denúncia, a senadora alega que a bancada federal do Tocantins apresentou emenda impositiva à Lei Orçamentária, no valor de R$ 68.250.000,00, para a compra de maquinários e equipamentos para os 139 municípios, recomendando a aquisição de dois equipamentos para cada município, e que, ontem, em cerimônia que contou com a presença do Ministro do Desenvolvimento, Rogério Marinho, foram entregues, simbolicamente apenas uma máquina para 59 municípios e duas para 80 municípios, revelando, segundo a senadora, “explícita intenção política ao deixar 59 municípios sem receber o segundo equipamento”.

 

ESCOLHENDO OS LADOS

Essa representação, assinada pela maioria dos membros da bancada no Congresso Nacional já é o primeiro ato da sucessão estadual em 2022, dividindo, em lados diferentes e claros, quem é oposição e quem é governista.

 

Segundo a senadora Kátia Abreu na iniciativa da representação contra o governo, o senador Irajá Abreu, os deputados federais Thiago Dimas, Vicentinho Jr., Dulce Miranda e Professora Dorinha, embora alguns membros da bancada estejam contestando a iniciativa, alegando, inclusive, que não outorgaram á senadora o direito de falar em nome deles e que a denúncia seria “vazia, sem fundamentos comprobatórios”

 

Mas, vale ressaltar que é preciso que a denúncia contida na representação seja apurada para se averiguar se foi apenas denuncismo ou se é um fato comprovado.

 

SUCESSÃO MUNICIPAL

Esse movimento da senadora Kátia Abreu abre os trabalhos para a sucessão estadual em 2022 e insere, definitivamente, a sucessão municipal deste ano como elemento principal pela disputa do poder.

 

 

É importante que todo governo tenha uma oposição forte e atuante na fiscalização dos seus atos e essa representação de Kátia Abreu significa o fim da “zona de conforto” para ambos os lados, tanto para o governo do Estado quanto para a oposição, que não deixará de receber “respostas à altura” por parte do governo, a cada ação contundente.E a briga promete ser mais longa e mais profunda que o esperado, por conta da possibilidade do adiamento das eleições municipais, aprovada duas vezes no Senado e em tramitação na Câmara Federal.

 

Kátia Abreu, como coordenadora da bancada federal no Congresso Nacional, atua utilizando toda a experiência adquirida em sua vida pública, como deputada federal, senadora, ministra da Agricultura e com toda a visibilidade que tem junto á imprensa nacional, por quem é vista como uma das maiores lideranças, sempre levando em conta que seu mandato termina em 2022.

 

É óbvio que Kátia disputará um cargo eletivo em 2022, a depender do quadro político à época, podendo ser candidata á reeleição, à governadora ou à deputada federal.

 

O único problema que se impões à Kátia é a desunião característica da oposição tocantinense, onde o pensamento “se a farinha é pouca, meu angu primeiro” é predominante entre seus membros.

 

Grande parte dos membros dos partidos oposicionistas está de olho apenas no próprio umbigo, e age de forma totalmente independente, “furando os olhos” uns dos outros. Um grande exemplo disso são as eleições municipais deste ano, em que nos 12 principais colégios eleitorais tocantinenses há vários candidatos a prefeito “representando” a oposição e apenas um candidato governista, demonstrando a fragilidade e a falta de bom senso e inteligência.

 

Em Palmas, por exemplo, a oposição tem seis pré-candidatos á prefeitura e a maioria dessas candidaturas irá se desidratar, se digladiando entre si.

 

PALÁCIO ARAGUAIA

 

Enquanto isso, no Palácio Araguaia, o clima é de “céu de brigadeiro”, pois a representação apresentada por Kátia Abreu contra o governo serviu como “cola” para aumentar a adesão dos aliados do governo do Estado.

 

Até agora, Mauro Carlesse vinha tocando seu governo de forma equilibrada, deixando a sucessão municipal em segundo plano, cuidando do enfrentamento á pandemia de coronavírus, recuperando as rodovias já pavimentadas, mantendo o equilíbrio  financeiro e o pagamento dos servidores em dia, buscando mais recursos nas instituições financiadoras, para serem aplicados em infraestrutura, Saúde, Educação e segurança Pública.

 

Mas, ao que tudo indica, a denúncia de Kátia Abreu provocou uma reviravolta nesse comportamento, e Mauro Carlesse, pego de surpresa, pode estar armando o “troco” aos oposicionistas.

 

"ANCORAS"

Carlesse tem um zap na manga, que é o senador Eduardo Gomes.  Aliada do Palácio Araguaia e bem quisto em todos os 139 municípios, o senador é um dos principais líderes no Congresso Nacional, onde exerce a função de líder do governo Jair Bolsonaro, é relator setorial do orçamento do Ministério do Desenvolvimento. Um político capaz de abrir as portas ministeriais e os cofres da União para o Estado e para os 139 municípios tocantinenses de forma igualitária, sem ver cor partidária.

 

Além de Eduardo Gomes, Carlesse conta, também com o vice-líder do governo Bolsonaro na Câmara Federal, o deputado federal Carlos Gaguim, que tem somado forças e se desdobrado para auxiliar o governo do Estado no repasse de recursos e negociações com o governo federal.

 

Tanto Eduardo Gomes, no Senado como Carlos Gaguim, Câmara Federal, têm sido as “ancoras” que ajudam a manter o equilíbrio do governo de Mauro Carlesse, lhe imputando a tranquilidade necessária para governar para o povo tocantinense.

 

SUCESSÃO EM PALMAS

O eleitorado já está mais que escaldado.  Desempregados impactados pela pandemia de Covid-19, a juventude sem acesso ao primeiro emprego, o empresariado prejudicado pelas medidas de restrição, profissionais liberais sem ter a quem atender, todos já com um histórico de rejeição à classe política, já demonstrou, nas pesquisas de consumo interno, uma tendência à renovação, com votos bem elaborados, privilegiando os candidatos que apresentem condições claras de atrair empresas, gerar renda e empregos, além dos que têm bons planos de governo.

 

O senador Eduardo Gomes deve, nos próximos dias, conversar com seus companheiros e aliados sobre a sucessão em Palmas.  Segundo fontes, grande parte dos aliados de Gomes acredita que ele debaterá com as lideranças políticas para, apenas no momento oportuno, declarar seu apoio.

 

Sabe-se que o senador Já se reuniu, em Brasília, com diversos pré-candidatos e puseram em suas mãos o poder de definir se suas candidaturas serão mantidas ou se será formada uma grande frente de apoio a apenas um deles.

 

Nos bastidores do Palácio Araguaia, segundo o apurado pelO Paralelo 13, dois nomes lideram a preferência dos alidados de Eduardo Gomes, que são os da prefeita, Cinthia Ribeiro e do deputado federal Osires Damaso.

 

Eduardo Gomes tem 25 dias para costurar o entendimento entre todos os seus aliados e, para quem conhece de perto a forma democrática com que toma suas decisões, ele deve ouvir todos os seus companheiros para, só então, definir, de forma colegiada, qual nome apoiará.

 

MAURO CARLESSE

Se as informações sobre a preparação de um “troco” á altura da ação ofensiva da senadora Kátia Abreu se confirmarem e Mauro Carlesse decidir entrar de vez na corrida sucessória municipal, seu único objetivo será vencer, ou seja, eleger a maioria dos candidatos que resolver apoiar.

 

O jogo será aberto, ou seja, ficará límpido e claro que é oposição e quem é governista e o resultado das eleições nos 139 municípios, principalmente nos 15 maiores colégios eleitorais do Estado, será um retrato nítido da força que cada lado terá nas eleições de 2022 e quem terá chances de ser candidato, lembrando que Mauro Carlesse venceu as oposições juntas por três vezes consecutivas em um mesmo ano, como candidato a governador.

 

Alguns já apostam em uma chapa composta por Eduardo Gomes como candidato ao governo do Estado e Mauro Carlesse como candidato ao Senado.

 

Que rolem os dados!!!

Última modificação em Terça, 30 Junho 2020 15:27

Pesquisa

Última edição

o-paralelo-13-edicao-502.jpg

Boletim de notícias

Boletim de notícias

Colunistas

 

Últimas notícias