O ECO DAS URNAS DEMARCA TAMANHO DE CADA LIDERANÇA EM PALMAS E LIGA ALERTA GERAL

Posted On Segunda, 30 Novembro 2020 04:56
Avalie este item
(0 votos)

“Tudo o que não é eterno, é eternamente inútil” 

C.S. LEWIS

 

 

Por Edson Rodrigues

 

Por incrível que pareça, após o resultado das urnas nas eleições municipais do último dia 15, muitos dos vitoriosos acabaram virando anões.  Mas, isso não foi surpresa para quem seguiu as páginas de O Paralelo 13, que em várias de suas análises sobre a sucessão municipal, alertou sobre o sepultamento político de vários líderes, que antes do pleito posavam como grandes “transferidores de votos”. Daqui, da nossa “açucarada” Capital da Cultura, Porto Nacional, fizemos nossas previsões e acertamos 100%.

Vice Governador Wanderlei Barbosa

 

O clã dos Barbosa, por exemplo, por meio do presidente da Câmara Municipal de Palmas, Marilon Barbosa, irmão do vice-governador, Wanderlei Barbosa, tio do deputado estadual Leo Barbosa e filho do ex-prefeito, Fenelon Barbosa, se reelegeu com minguados 2.953 votos.  Para uma família política que vai de Taquaralto até São João, esse pequeno número de votos é preocupante, mesmo Marilon tendo sido o mais votado.

 

A segunda posição de Pedro Cardoso, o mais jovem eleito para a Câmara Municipal de Palmas, com apenas 28 votos a menos que Marilon, mostra o tamanho do “tombo” do clã dos Barbosa.

 

Mesmo Pedro sendo filho do deputado estadual Cleiton Cardoso, Pedro contou com os votos dos jovens e apenas com o apoio político do pai para se eleger.

 

Já o DEM da professora Dorinha Seabra, apesar de ter eleito os dois vereadores, Pedro e Marilon, não teve nenhuma participação significativa nas campanhas dos dois para que a vitória viesse, o que significa que nenhum dos dois terá a obrigação de permanecer no partido nem ao lado de Dorinha em 2022.

Deputada Dorinha Seabra

 

A deputada Dorinha também recebeu outro aviso direto das urnas, já que ela é a presidente estadual e seu marido o presidente metropolitano, em Palmas.  O partido teve praticamente zero de crescimento no Estado e em Palmas, apesar dos dois vereadores (que, pode-se dizer, vieram de uma barriga de aluguel), 26 prefeitos e vários vice-prefeitos e vereadores no interior, o DEM precisa crescer em Palmas para garantir uma segurança mínima na reeleição de Dorinha Seabra, uma das melhores parlamentares na área da Educação na Câmara Federal, com reconhecimento nacional.

 

O Quociente eleitoral para Dorinha Seabra será em torno dos 100 mil votos por cadeira na Câmara Federal, na primeira eleição majoritária sem coligações proporcionais.

 

Em sua última eleição, Dorinha não atingiu nem a metade desse número de votos, lembrando que, junto com ela, no DEM, estava o ex-governador Carlos Gaguim, que obteve mais votos que ela.

 

Infelizmente, nas eleições de 2022, Carlos Gaguim não poderá concorrer à reeleição, devido a uma condenação em colegiado pela Suprema Corte, o que deixa o DEM entre a cruz e a espada: ou abre espaço para novas lideranças em Palmas ou se prepara para acompanhar a candidatura de Dorinha Seabra “pela janelinha da UTI política”.

 

SAÍRAM MENORES QUE ENTRARAM

 

Já entre as lideranças que perderam muito espaço após a eleição municipal, separa-se os que caminham direto para a cova coletiva do sepultamento político, tão comentado em O Paralelo 13, pode-se incluir Marcelo Lelis, Alan barbeiro, Carlos Amastha, Thiago Andrino e Nilmar Ruiz e os que estão na “UTI política”, respirando por aparelhos, como Eli Borges, Vanda Monteiro e Osires Damaso.

Carlos Carlos Amastha e Marcelo Leis

 

Estes últimos três, principalmente a deputada estadual Vanda Monteiro, terão que se desdobrar para recuperarem a saúde política, pois ela saiu com um caixa de mais de quatro milhões de reais de Fundo Eleitoral e elegeu apenas o seu marido como vereador.  Dificilmente a deputada estará no comando estadual da sua legenda em 2022 e pode amargar os efeitos colaterais de uma candidatura precoce e muito pretensiosa.

 

Já o PL do deputado federal Vicentinho Jr. saiu dessas eleições com muitas “escoriações”, principalmente em Palmas, onde foi avalista da candidatura nanica de Thiago Andrino, junto com o ex-prefeito Carlos Amastha.  O PL indicou a ex-prefeita Nilmar Ruiz como vice de Andrino, após o próprio Vicentinho Jr. ter lançado seu nome e não ter obtido uma boa resposta das ruas. Além dessa derrapada na Capital, o PL foi um fiasco no interior do Estado, elegendo apenas seis prefeitos em cidades de pequeno porte.

 

Vicentinho Junior (PL)

Apesar disso, Vicentinho Jr. não tem nenhuma mancha em seu currículo e faz parte da base de apoio ao presidente da república Jair Bolsonaro, o que lhe dá chances e tempo para reverter esses revezes, construindo uma base sólida para sua reeleição e abrindo espaço, quem sabe, para outra vaga na Câmara Federal.

 

Mas, para isso, precisa calçar as “sandálias da humildade” e buscar apoio em companheiros que relegou a segundo plano e abrir as portas para novas lideranças.  Caso contrário, terá que pegar o mesmo caminho que as lideranças em “sepultamento” no Tocantins.

 

OS QUE “FIZERAM NOME”

 

Já o empresário Gil Barison nunca foi líder político, nunca participou de militância partidária e conseguiu um sexto lugar entre 12 candidatos, tornou seu nome conhecido pelo eleitorado palmense e do interior, por conta dos programas de Rádio e TV e, se não ganhou a elição, também não perdeu, muita coisa, podendo se vangloriar de, em sua primeira empreitada política ter vencido nomes bem mais conhecidos e alguns até com mandatos.

Empresário Gil Barison 

Já o portuense Jr. Geo entrou pela porta da frente no rol dos políticos que garantiram patrimônio eleitoral para o futuro.  O deputado estadual foi o segundo colocado, com 18.523 votos, o que corresponde a 14,52% dos votos válidos da Capital.

 

Geo manteve sua linha política intacta e plantou sementes férteis para 2022, ganhando muita musculatura para suas pretensões na vida pública.

 

Mas, contudo, todavia, porém, como sempre falamos, em política, nada é exato.  Cada eleição é diferente da outra, assim como suas consequências, mas podemos, após esse pleito municipal que passou, vislumbrar um futuro promissor para a política estadual e nacional, dado o grau de mudanças auferido nas urnas, uma verdadeira revolução silenciosa comandada pelos eleitores, e que pode ser notada nos 139 municípios tocantinenses, com mudanças profundas nos parlamentos municipais de dezenas de municípios.

Deputado Junio Geo

Essa revolução silenciosa deixou vários partidos esfacelados, comprometendo a reeleição de vários congressistas “donos de partidos”, que se intitulavam líderes e que, a partir do último dia 15 de novembro, estão com “data de validade” marcadas em suas fichas, a se confirmar nos resultados das eleições de 2022, aumentando a ocupação do “cemitério político”.

 

Quem viver verá!

Última modificação em Segunda, 30 Novembro 2020 08:27

Pesquisa

Última edição

o-paralelo-13-edicao-504.jpg

Boletim de notícias

Boletim de notícias

Colunistas

 

Últimas notícias