PASSADO NEBULOSO DE RAUL FILHO DEIXA MDB DE “SAIA JUSTA”

Posted On Segunda, 29 Junho 2020 07:12
Avalie este item
(0 votos)

Apesar de ter um patrimônio Político indelével na Capital do Tocantins, o ex-prefeito Raul Filho, por enquanto pré-candidato à prefeitura, também coleciona uma “fieira” de processos em várias instâncias – da primeira á terceira – que deixa qualquer um que defenda a sua candidatura, principalmente os membros do seu partido, o MDB, de saia justa.

 

Por Edson Rodrigues

 

Raul, que nas últimas eleições à prefeitura de Palmas, condenado por um crime que não envolvia corrupção, mas uma simples condenação por crime ambiental, foi candidato por força de liminar, mas acabou impedido de votar pela Justiça Eleitoral, protagonizando um fato inédito, no qual o próprio candidato não Pôde votar em si mesmo, pois, perante a Justiça Eleitoral, seus direitos políticos estavam suspensos por oito anos. Após a filiação de Raul Filho ao MDB de Palmas, uma nova sentença, proferida no dia 1º deste mês, sobre outro crime, jogou uma pá de cal em suas pretensões de concorrer às eleições municipais deste ano. Raul foi condenado a 9 anos de prisão e sete anos de detenção por corrupção passiva, fraude à licitação, dispensa de licitação e outros crimes praticados nos dois mandatos à frente da prefeitura da capital, entre 2005 e 2012.

 

“ABRAÇO DE AFOGADOS”

Ex-deputado Constituinte Ulisses Guimaães

 

O MDB deve tomar outro rumo caso insista em investir no apoio à candidatura de Raul Filho, sob o risco de protagonizar um “abraço de afogados”, pois o partido, que sempre foi conhecido por ser defensor da Justiça, presidiu a Reforma Constitucional, tendo como presidente o saudoso Ulysses Guimarães e foi um dos principais, senão o principal ator da volta das eleições diretas no Brasil, pode perder essa aura de legalidade e democracia, pelo menos no Tocantins.

 

Observando a situação por esse ângulo, essa insistência também colocaria em cheque a presença, no partido, de pessoas como o senador Eduardo Gomes, da deputada federal Dulce Miranda, dos deputados estaduais Nilton Franco, Valdemar Jr., Jair Farias, Elenil da Penha e Jorge Frederico, sob a redoma da tradição dos nomes ilustres de políticos que fazem ou já fizeram parte da história da legenda no Tocantins.

Porém é importante ressaltar que, o Diretório do MDB de Palmas, sob a presidência do deputado estadual Valdemar Jr., (Foto) ainda não se envolveu nessa articulação para que Raul Filho seja o candidato a prefeito na Capital.  A orquestração do fato vem do diretório estadual, sob a batuta do ex-governador Marcelo Miranda e sua ala de seguidores dentro da legenda.

 

VALA DOS COMUNS

A permanecer essa insistência por Raul Filho, o MDB do Tocantins corre o risco de se juntar à legendas que perderam suas essências no decorrer de suas vidas políticas, caindo na vala do comuns, relegados a papéis secundários pelos eleitores, por sustentarem em suas fileiras nomes de políticos condenados, investigados, sob suspeita ou apenas sem moral nenhuma para alçar cargos públicos eletivos.

 

Isso seria um tiro no pé para o MDB, neste momento em que a população aponta altos índices de rejeição á classe política brasileira, não só pela corrupção em si, mas pela cara de pau de alguns partidos em tentar eleger pessoas comprovadamente mal intencionadas politicamente e que já demonstraram que, em posse do poder, se tentam apenas aos interesses pessoais e deixam a população a ver navios.

 

Vale lembrar que, caso o MDB do Estado tentar contrariar a lógica bancando a candidatura de Raul Filho à prefeitura de Palmas, pode abrir precedente para uma intervenção por parte do Diretório Nacional, em Brasília.  Aí, morrem todas as possibilidades da legenda na Capital e no restante dos municípios, por conta do “efeito cascata”.

 

PUBLICIDADE INDESEJADA

Se o MDB de Palmas resolver peitar a lógica e assumir a candidatura de Raul Filho á prefeitura, pode abrir as portas para um precedente do qual o Tocantins já se envergonha demais, que é o destaque negativo na mídia nacional por causa dos mal feitos de seus políticos.  Apenas o fato de Raul Filho, candidato a prefeito, não ter conseguido votar em si mesmo, impedido pela Justiça Eleitoral já seria um mote para uma reportagem recheada de ironias e indagações quanto á seriedade da política do nosso estado.

 

A partir daí, lembrar das inúmeras operações da Polícia Federal, dos desembargadores cassados e das obras superfaturadas seria um pulo. E  lá iria, novamente, a moral do eleitor tocantinense ladeira abaixo.

Ex-prefeito Raul Filho e o ex-governador Marcelo Miranda

 

Resta ao tocantinenses esperar que o MDB palmense, em conjunto com o Diretório Estadual se entendam entre si e optem por outro nome para concorrer á prefeitura da Capital ou por uma coligação, haja visto que o partido precisa dar respaldo à sua chapa de pré-candidatos a vereador, inclusive os candidatos à reeleição, que seriam prejudicados com a “contaminação” de uma candidatura como a de Raul Filho.

 

E o tempo está acabando. Só resta o mês de julho para que as decisões sejam tomadas e se evite que as eleições municipais de 2020, em Palmas, não entrem para a história como o pior desempenho do MDB no Estado.

Oremos!!!

Pesquisa

Última edição

o-paralelo-13-edicao-502.jpg

Boletim de notícias

Boletim de notícias

Colunistas

 

Últimas notícias