PANDEMIA DE COVID-19: QUANDO A RESPONSABILIDADE DO POVO É MAIOR QUE A DO GOVERNO

Posted On Segunda, 03 Agosto 2020 14:23
Avalie este item
(0 votos)
Imagem da Tv Anhanguera mostra aglomerações de pessoas em praia de Porto Nacional Imagem da Tv Anhanguera mostra aglomerações de pessoas em praia de Porto Nacional

Segundo o dicionário, pandemia significa enfermidade epidêmica amplamente disseminada. Para a Organização Mundial de Saúde (OMS), uma pandemia é a disseminação mundial de uma doença, ou seja, é quando a doença se espalha por vários países com uma transmissão contínua entre as pessoas

 

Por Luciano Moreira

 

É importante destacar que ao ser declarada uma pandemia, isso deve ser levado a sério. Todas as instruções dos órgãos de saúde precisam ser rigorosamente seguidas. No caso da COVID-19, antes mesmo de ela ser anunciada, houve um imenso trabalho de investigação e tentativa de contenção da doença por diversos setores e entidades envolvidas.

 

Dessa forma, os órgãos de saúde orientam os melhores cuidados a serem seguidos e, quando estes são acatados pela população, torna-se possível enfrentar a situação e passar por ela sem grandes prejuízos.

 

Frente a esse cenário, temos dois grupos de população: os que seguem as orientações e os que não seguem. Nesse momento, todos precisam seguir as recomendações. É um momento de união e cooperação, a fim de diminuir riscos e prejuízos.

 

CENSO DE COLETIVIDADE X IRRESPONSABILIDADE

Pois é justamente isso que vem faltando a boa parte povo tocantinense que, do alto de suas posses, de seu círculo de amizades e de uma parcela de imensa de irresponsabilidade, vem promovendo festas, lotando praias, pontos turísticos, promovendo festas e encontros em chácaras e ilhas particulares, jogando por terra todo o cuidado que a parte responsável da população vem tomando para evitar contágios e jogando no lixo todo o trabalho sacrificante dos profissionais de Saúde, que não podem se dar ao luxo de tirar folgas, férias, participar de festas e, o pior, ter uma convivência normal com seus familiares.

 

É importante ressaltar que esse não é um problema apenas do Tocantins, no Brasil inteiro as mesmas atitudes de irresponsabilidade vêm sendo praticadas, e com os mesmos efeitos nefastos.  Mas, é mais importante ainda ressaltar, que o Tocantins não tem a mesma capacidade de atendimento que a grande maioria dos demais estados e que o chamado “pico” de contaminação ainda não aconteceu por aqui e, quando acontecer, será por inteira responsabilidade dessas pessoas que insistem em colocar a vida de seus familiares amigos e companheiros de trabalho – além do resto da população – em risco.

 

Cada morte que ocorrer nos hospitais do Tocantins durante o “pico de contaminação” estará diretamente relacionada às festas, aglomerações e reuniões festivas particulares.

 

Você, que está curtindo suas férias, a temporada de praias, que está indo a festas em ilhas e chácaras, se achando o super-homem, a super-mulher ou o imortal, o supersaudável, vai conseguir dormir depois que souber que aquele amigo, aquele parente, que morreu, foi contaminado por você?

 

GOVERNO E PARLAMENTARES

O governador Mauro Carlesse e a maioria dos prefeitos estão empenhados em atender às demandas da pandemia que impactou e economia do mundo, do País, dos Estados e dos municípios, principalmente dos menores, como é o caso da maioria das cidades do Tocantins, que já contabiliza 395 mortes e mais de 36 mil infectados, com previsões para chegar a 60 mil e um Sistema Público de Saúde bem próximo de um colapso.

 

Há dinheiro para o combate, boa vontade da maioria dos gestores, emprenho e sacrifício dos profissionais de Saúde, mas falta planejamento. Sem testagem em massa, os números podem estar subnotificados, a realidade pode ser pior e outras centenas de vida podem ser ou já foram ceifadas por esse vírus maldito.

 

Os senhores congressistas, os nobres deputados estaduais, que conseguiram garantir os recursos para os cuidados para com a população, devem agir como fiscais, cobrando a quem de direito a ação necessária para livrar o povo desse mal.  Devem cobrar do governador, Mauro Carlesse ação, mais pressão sobre o secretário da Saúde, para que seus esforços valham à pena e resultem em melhores condições de trabalho para os profissionais de saúde e em maiores chances de o povo tocantinense sobreviver à Covid-19.

 

Mas, e o povo?

 

DENÚNCIA NECESSÁRIA

Conclamamos a você, que está se protegendo, cuidando de seus familiares e respeitando as regras de contenção das contaminações, faça mais um sacrifício e torne-se um fiscal, denunciando seu vizinho, seu parente ou seu conhecido que está realizando ou planejando realizar uma festa, seja em casa, em chácaras ou em ilhas.

 

Não titubeie, ligue para o 190, coloque a Polícia Militar dentro dessas festas e vamos, finalmente, poder mensurar o quanto cada parcela da sociedade estará assumindo do seu papel nessa luta que é de todos nós.

 

As proibições dos cortes de água e luz por falta de pagamento acabaram. Os cortes de energia de clientes com pagamento atrasado voltaram a ser permitidos no país após mais de 4 meses de proibição, segundo medida da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel).

 

A resolução que proibia a suspensão do serviço começou a valer em março por causa da pandemia de coronavírus, chegou a ser prorrogada pelo governo, e teve validade até 31 de julho.

 

Os cortes estão autorizados a acontecer desde 1º de agosto, mas a Aneel explica que lei federal proíbe "efetuar cortes por falta de pagamento às sextas, aos sábados, domingos, feriados e dias que antecedem feriados".

 

Segundo a agência, os cortes de energia voltam a ser permitidos a partir dessa semana, mas a distribuidora deve enviar ao consumidor nova notificação sobre existência de pagamentos pendentes, ainda que já tenha encaminhado em período anterior para o mesmo débito.

 

Importante destacar que para as famílias de baixa renda, o corte de energia elétrica por falta de pagamento segue proibido até o fim do ano, conforme decisão anunciada no dia 21 de julho pela Aneel. Essa prorrogação vale apenas para os consumidores enquadrados como "baixa renda", beneficiados pela Tarifa Social de Energia Elétrica.

 

Esse vírus maldito continua entre nós e uma reabertura geral do comércio fica cada vez mais distante, a proporção em que o número de contaminados não diminui.

 

Aonde iremos chegar?  Seremos vencidos por uma doença que poderia ser controlada apenas com o ato de manter as pessoas em casa?

 

Onde está o povo tocantinense aguerrido, unido, que transformou um território abandonado pelo governo goiano em um Estado promissor e progressista?

 

Sinceramente, começo a desconhecer o povo do qual tenho orgulho de fazer parte.

Pesquisa

Última edição

o-paralelo-13-edicao-504.jpg

Boletim de notícias

Boletim de notícias

Colunistas

 

Últimas notícias