COLUNA FIQUE POR DENTRO

Posted On Segunda, 27 Junho 2022 12:24
Avalie este item
(0 votos)

IMBRÓGLIOS NAS DUAS PRINCIPAIS CHAPAS MAJORITÁRIAs (I)

Na chapa governista, 14 deputados filiados ao Republicanos, presidido no Estado pelo governador Wanderlei Barbosa, apoiam a candidatura ao Senado da deputada federal Dorinha Seabra. Enquanto isso, a senadora Kátia Abreu, candidata à reeleição, dá declaração, em Gurupi, de apoio à reeleição de Wanderlei Barbosa ao mesmo tempo em que seu filho, o também senador Irajá Abreu, afirma não ter decidido, ainda, quem irá apoiar para o governo.

Por outro lado, a deputada federal Dorinha Seabra, candidata ao Senado com apoio do senador Eduardo Gomes, que comanda a campanha pela eleição de Ronaldo Dimas, ex-prefeito de Araguaína ao governo, até hoje não se pronunciou sobre quem será seu candidato a governador, deixando para fazê-lo, só após as convenções partidárias.

Tá confuso!

 

IMBRÓGLIOS NAS DUAS PRINCIPAIS CHAPAS MAJORITÁRIAS (II)

Diante desses imbróglios, que só servem para confundir a cabeça dos eleitores, o governador Wanderlei Barbosa continua “elétrico”, fazendo uma maratona de viagens governamentais, assinando ordens de serviço, transferindo dois milhões de reais para cada município utilizar em obras estruturais de acordo com cada gestão, reformando e ampliando colégios e colocando máquinas na pista para a recuperação da malha viária estadual.

Alheio à acomodação de forças em seu grupo político, Wanderlei já chegou a declarar que a questão entre Kátia Abreu e os deputados estaduais deve ser resolvida entre eles, dedicando-se, totalmente em cumprir seu papel de gestor, deixando a campanha pela reeleição para depois.

Tá certo, o Wanderlei!

 

PTB PODE IMPLODIR

A disputa pelo comando do PTB no Tocantins pode “fazer água” e as confusões e existentes, hoje, entre um ex-presidente estadual sem voto, sem convivência política e social no Tocantins, outros dois políticos com mandato de vereador em Palmas e outro ex-vereador, que possuem representatividade política, podem levar a um impasse perigoso.

O grupo liderado pelos que têm representatividade política defende uma composição com o grupo palaciano, pela reeleição de Wanderlei Barbosa.  Já o ex-presidente do partido, aquele sem representatividade política, que compor com a candidatura de Ronaldo Dimas ao governo.

Essa situação gera dois riscos: o PTB pode ficar sem um comando forte e, também, pode acabar sem apoiar nenhum dos dois candidatos aventados pelas vertentes que se digladiam...

O tempo dirá.

 

EDUARDO GOMES NO BICO

O senador Eduardo Gomes estará, na próxima quinta-feira, na Região do Bico do papagaio, onde permanece até o domingo.  Em pauta, inaugurações de obras feitas com recursos que ele carreou junto ao governo federal e assinatura de ordens de serviço de pavimentação asfáltica, via Codevasf.

Gomes, líder do governo Jair Bolsonaro no Congresso Nacional, vem ao Tocantins acompanhado do ministro do Desenvolvimento Regional, Daniel Ferreira, e pode anunciar ainda mais recursos para os municípios do Bico do Papagaio.

 

GOVERNADOR WANDERLEI BARBOSA ASSUSTA OPOSIÇÃO

Membros da elite da oposição ao Palácio Araguaia estão assustados com o volume de ordens de serviço que vem sendo assinadas pelo governador Wanderlei Barbosa.  99,99% dos oposicionistas estão apostando que não há dinheiro em caixa para concretizar as obras, mas a preocupação com os reflexos positivos do simples anúncio delas, é real.

O andamento das obras e atuação das empresas responsáveis dirá se há ou não fluxo de caixa nos cofres do Estado, capaz de manter tudo em dia.

O tempo dirá.

 

PESQUISAS EM O PARALELO13

A Família O Paralelo 13 está em negociações adiantadas com duas empresas de pesquisas eleitorais com know how nacional, para iniciar os trabalhos após as convenções partidárias, quando todos os candidatos estiverem nominados e colocados dentro de suas composições políticas.

Os levantamentos serão todos homologados pelo TRE – TO, e a primeira rodada está prevista para a primeira quinzena de agosto.

Aguardem!

 

SENADOR IRAJÁ COM AS BASES

O senador Irajá Abreu, presidente estadual do PSD, está intensificando suas consultas às bases, junto a prefeitos e vereadores do seu grupo político, além dos candidatos a deputado federal ou estadual que comporão a chapa proporcional do grupo.

A intenção é a tomada de decisão sobre qual candidatura ao governo apoiar em dois de outubro.

Político de poucas palavras e muito discreto, Irajá é muito elogiado pelos pares, sendo considerado um cumpridor de palavra e de pactos, transformando sua decisão quanto a qual candidato ao governo apoiar, muito importante para esse candidato.

As reuniões com as bases servem para que Irajá colha subsídios, na Capital e no interior, para que tome uma decisão que agrade a todos do seu grupo.

 

GILMAR MENDES COM COVID

O ministro do Supremo Tribunal Federal Gilmar Mendes testou positivo para a covid-19 neste domingo, dia 26, em Portugal. Essa foi a primeira vez que o ministro recebeu o diagnóstico da doença. O ministro passa bem.

O ministro, de 66 anos, está com todas as doses de vacina em dia e que não precisou de hospitalização.

Ele descobriu a covid-19 durante um teste de rotina antes de um evento que participaria presencialmente, ao lado de outras autoridades brasileiras, na Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa.

Com sintomas gripais leves, Gilmar Mendes vai manter a participação, de forma remota, no 10º Fórum Jurídico de Lisboa, vinculado ao IDP (Instituto Brasileiro de Ensino, Desenvolvimento e Pesquisa), do qual é sócio. O ministro participará nesta segunda-feira, dia 27, da abertura do evento.

 

PACHECO DIZ QUE URNAS SERÃO RESPEITADAS

O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), fez uma defesa enfática do processo eleitoral brasileiro e afirmou que o resultado das urnas será respeitado "pelas instituições e pela sociedade". As declarações do senador - que é também o presidente do Congresso Nacional - foram dadas em Lisboa, após participar da Conferência Brasil e Portugal - Perspectivas de Futuro. Ao ser questionado se o presidente Jair Bolsonaro poderia tentar uma ruptura institucional caso seja derrotado na disputa presidencial, Pacheco afirmou que "não há hipótese de retrocesso".

Pouco antes, ao defender a democracia como "conquista da sociedade brasileira", Pacheco afirmou que "qualquer mínimo arroubo, qualquer bravata contra o estado democrático de direito, merecerá da presidência do Senado e dos senadores pronta reação, porque é inadmissível se pensar em algo diferente de democracia no País".

 

CAMPANHA MAIS CURTA

A pouco mais de três meses do 1º turno das eleições de 2022, partidos e pré-candidatos se articulam para a eleição presidencial mais curta desde 1994. Neste ano, a campanha eleitoral será feita entre 16 de agosto e 1º de outubro, um período de 46 dias de ações nas ruas e internet.

 O ano com intervalo mais curto até então ocorreu na última eleição, em 2018, com 50 dias liberados para distribuição de santinhos, pedidos de votos e eventos oficiais das campanhas. Com mudança na lei eleitoral, o intervalo foi reduzido e criada a pré-campanha – quando os políticos podem se chamar de pré-candidatos e debaterem, mas sem pedir explicitamente voto ou apoio.

Antes da mudança na lei, os partidos e candidatos tinham período maior para apresentarem seus projetos aos eleitores, com o mínimo de 85 dias para a eleição à Presidência (o que ocorreu em 2006, na reeleição de Lula). A média entre 1994 e 2014 era de 90 dias com as campanhas nas ruas -- inclui também os materiais veiculados em rádio e TV.

 

BANCO DO BRASIL LIDERA FINANCIAMENTOS A PRODUTORES RURAIS

O Banco do Brasil (BB) é o principal financiador da agricultura e pecuária nacionais, respondendo por mais de 50% do crédito rural do sistema financeiro. O volume da carteira de crédito agro do banco chegou a R$ 254,6 bilhões no primeiro trimestre de 2022, um crescimento de 28% em relação ao mesmo período da safra anterior. O presidente do BB, Fausto de Andrade Ribeiro, falou sobre este e outros assuntos em entrevista ao programa Brasil em Pauta, neste domingo (26), na TV Brasil.

“Nós tínhamos uma expectativa de uma carteira em torno de R$ 250 bilhões até o final da safra, nós já superamos esse valor: está em R$ 254 bilhões, posição em março, e crescendo. A posição até junho provavelmente deve ser um pouco maior do que isso. Em relação à safra 21/22, a programação inicial era de R$ 145 bilhões, dos quais praticamente todo esse valor já foi empregado na safra agrícola 21/22 por parte do Banco do Brasil”, disse Ribeiro.

 

Pesquisa

Última edição

o-paralelo-13-edicao-506.jpg

Boletim de notícias

Boletim de notícias

Colunistas

 

Últimas notícias