Ministro Barroso libera para pauta ação sobre eleições diretas

Posted On Terça, 23 Mai 2017 10:58
Avalie este item
(0 votos)

 Políticos como os ex-presidentes Lula e Dilma e senadores já foram flagrados em gravações comprometedoras

 

O presidente Michel Temer (PMDB) e o senador afastado Aécio Neves (PSDB), que viraram foco da Lava-Jato nesta semana depois de serem pegos em gravações comprometedoras não foram os únicos que “morreram” pela boca. Apesar de a investigação estar em curso há mais de três anos, políticos experientes como o senador Romero Jucá (PMDB), o ex-presidente Lula (PT) e o ex-senador Delcídio do Amaral também se descuidaram e foram envolvidos em áudios que acabaram sendo usados como prova contra eles. Em quase todos os casos, o que se viu foram tentativas de impedir ou prejudicar o andamento da maior operação contra a corrupção realizada no Brasil.

 

O próprio Temer já havia se deixado gravar em outra ocasião, quando seu ex-ministro da Cultura, Marcelo Calero, registrou uma conversa com o peemedebista. O áudio foi do pedido de demissão por conta das reclamações que havia feito contra o titular da Secretaria de Governo, Geddel Vieira Lima (PMDB). Calero gravou ministros e outros funcionários para tentar provara que Geddel tentava influenciar a liberação de uma obra no centro histórico de Salvador. O então ministro pediu demissão e acabou levando à queda também de Vieira Lima.

 

Quem caiu em uma “armadilha” semelhante à que o dono da JBS, Joesley Batista, fez com o presidente Michel Temer foi Delcídio do Amaral, que acabou preso por conta do que falou. Ele foi gravado pelo filho do ex-diretor da Petrobras, Nestor Cerveró, que usou um celular para registrar o áudio de uma conversa. Nela, Delcídio falou até de um plano para tirar o executivo do País por uma rota no Paraguai. O ex-senador disse ainda que mantinha pagamentos à família de Cerveró para evitar uma possível delação premiada e confessou ter tentado influenciar ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) para prejudicar o andamento da Lava-Jato. A matéria foi veiculada pelo Correio Braziliense.

 

Ministro Barroso libera para pauta ação sobre eleições diretas

 

O ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal (STF), liberou para julgamento uma ação que trata da possibilidade de realização de eleições diretas em caso de vacância do cargo após dois anos do início do mandato.

O caso deve ser julgado junto com outra ação direta de inconstitucionalidade que tramita na Corte, e foi movida pela Procuradoria-Geral da República (PGR).

 

Para que as duas ações sejam analisadas pelo plenário, porém, é preciso que a presidente do STF, Cármen Lúcia, inclua o tema na pauta.

 

A pressão sobre o Supremo para que se posicione sobre o tema aumentou na última semana, diante da possibilidade de o presidente Michel Temer deixar o cargo após as delações dos empresários da JBS. No domingo, manifestações populares pediram a saída do peemedebista do cargo e também a realização de eleições diretas.

 

Atualmente, a Constituição Federal prevê que, se tanto o presidente quanto o vice-presidente da República forem derrubados nos últimos dois anos do mandato, a nova eleição deve ocorrer de forma indireta, ou seja, o novo chefe da Nação deve ser escolhido pelo Congresso Nacional. Caso a vacância dos dois cargos ocorra nos dois primeiros anos do mandato, a Constituição prevê nova eleição direta para os cargos.

 

Pesquisa

Última edição

o-paralelo-13-edicao-504.jpg

Boletim de notícias

Boletim de notícias

Colunistas

 

Últimas notícias